Missão

Padre José Allamano e o Colégio Consolata, uma história de amor há 60 anos!

Pe José Allamano é uma pessoa importante para nós, pois é o pai fundador do Instituto das Irmãs Missionárias da Consolata. Ele nasceu em 21/01/1851, em Castel Nuovo D’Asti, Itália. Perdeu o pai aos 3 anos e sua mãe, Ana Maria, mulher de fé, que era irmã de São José Cafasso, criou os filhos sozinha. Bem cedo, ele se sentiu chamado por Deus ao sacerdócio.
Foi ordenado padre em 1873 e nomeado Reitor do Santuário da Consolata em Turim-Itália, no ano de 1880. Ele ocupou este cargo por 46 anos.
O amor de Allamano por Maria era imenso. Ele dizia: “Devemos fazer tudo por Jesus, nada sem Maria!”
Pe Allamano realizou um trabalho de restauração e de revitalização do santuário, promovendo grandes transformações sociais e incentivando o culto à Santíssima Virgem Consolata.
Allamano queria ir mais longe! Seus projetos eram para o mundo! Levar a “Boa Nova”, o Evangelho além fronteiras!
Ele mesmo queria partir para as missões, mas sua saúde não permitiu. Então, iluminado pelo Espírito, fundou, em 1901, o Instituto dos Padres e Irmãos da Consolata e em 1910, o Instituto das Irmãs Missionárias da Consolata. Os primeiros missionários e missionários foram para o Quênia, na África e depois seguiram para outros países na África, Europa, Ásia e Américas.
Ele dizia que seus missionários eram portadores de esperança: “Esta é realmente obra do Senhor”.
Padre Allamano morreu em 16/02/1926, aos 75 anos, quando sua obra estava consolidada.
Em 1946, as Missionárias da Consolata vieram para o Brasil, e todos nós já sabemos o que aconteceu! Em 1949, nasce o Colégio Consolata, que está completando 60 anos!
Em 07/10/1990, a Igreja reconheceu o valor de suas virtudes, proclamando-o bem-aventurado pelo Papa João Paulo II.

“A graça de poder celebrar as origens”
Centenário da fundação do Instituto das Irmãs Missionárias da Consolata

Não podemos deixar de fazer festa pela inspiração que o Espírito Santo depositou no coração do Pe. José Allamano, pois ao longo dos 100 anos da nossa fundação, a chama viva de seu carisma sempre nos acompanhou.
Nós, missionárias da Consolata, comemoramos no decorrer deste ano, em júbilo, a data marcante de 29 de janeiro de 1910, dia em que este homem apaixonado por Cristo e pela missão, iniciou o nosso Instituto em Turim- Itália, chão abençoado onde começou a dar os seus primeiros passos com a fundação iluminada de fundador – hoje, bem-aventurado.
Comemoramos os 100 anos de fundação e os 62 anos da nossa entrada em solo brasileiro, celebrando a efeméride em festa de ação de graças, recordando as memórias do passado, com a certeza do presente que vivemos e a esperança de um futuro em que as pessoas se encontrem com Jesus o missionário do Pai.
Na arrancada da nossa vida missionária, é da maior justiça recordar o grande número de missionárias que seguiram de por vida, o trabalho incansável de construção de um edifício que, pelas suas características, estará sempre inacabado.
Acreditando ser assim, fica uma excelente proposta para você jovem que quer como lar, o mundo… como família, todos os povos… a prontidão ao convite de Jesus: “Vinde e vede”!
Que este Ano Jubilar de 2010 seja para nós missionários da CONSOLATA e para todos os que se somam a nós no carisma e nas nossas obras, um ano de Paz, Esperança, Compreensão, Dedicação, Integridade e Qualidade.
Ir. Cecilia Beltrame

Datas importantes

29 de Janeiro – Fundação do Instituto Irmãs Missionárias da Consolata          

Encorajado especialmente por um parecer favorável do papa São Pio X, no dia 29 de janeiro de 1910, Allamano deu inicio ao Instituto das Irmãs Missionárias da Consolata. Allamano explicava às primeiras irmãs que foi ele quem o encorajou, dizendo: “É vontade de Deus que se funde o Instituto das irmãs.”

16 de fevereiro – Dia do Bem Aventurado José Allamano

Procuremos valorizar esta data, incluindo os nossos amigos e as comunidades cristãs que nos estão confiadas. A celebração deste dia deve voltar a realizar-se para se tornar um momento fixo de encontro espiritual de todos, ou seja, dos filhos e filhas de Allamano, bem como do povo cristão. (Fonte: Pe. Piero Trabucco;  Madre Gabriella Bono. Carta aos Missionários e às Missionárias da Consolata. Disponível em: <http://pt.ismico.org/content/view/133/39/> . Acesso em 22 Set. 2009).

20 de junho – Dia de Nossa Senhora Consolata

Não resta dúvida, tudo quanto aqui foi feito, tudo é obra da Santíssima Consolata. Ela operou milagres cotidianos em favor deste Instituto. (Fonte: Pe. José Allamano. Discípulos em Missão, p.214)

23 de junho – Dia de São José Cafasso

“O Bem-Aventurado José Cafasso é […] também nosso especial protetor e, como dizeis, vosso tio; como tal, deveis honrá-lo e imitar as suas virtudes.” (Fonte: Pe. José Allamano. Discípulos em Missão, p.15)

06 de julho – Chegada das Irmãs Missionárias ao Brasil

O nosso Pai Fundador, em 1917, falando com as Irmãs, profetizou: “Quando forem muitas, ireis também à América e lá fundareis Colégios, mas sempre com o mesmo fim: As Missões.” Desde então abençoou a fundação no Brasil, bem como os Colégios que aqui se abririam.

18 de agosto – Dia de Tiago Camisassa (legenda)

“Não vos esqueçais deste homem, mas pedi-lhe que vos obtenha parte de sua energia”. (Fonte: Pe. José Allamano. Vida Espiritual, p.76)

07 de outubro – Beatificação de José Allamano  (legenda)

Durante a homilia de beatificação em Roma, no dia 07 de outubro de 1990, o Papa João Paulo II disse: “José Allamano nos lembra que para permanecermos fiéis à nossa vocação cristã é necessário que saibamos partilhar os dons recebidos de Deus com os irmãos de toda raça e toda cultura.”

31 de outubro – Dia da Serva de Deus Ir. Irene Stefani (Nyaatha)

“Nyaatha”, a mãe toda piedade e amor, era como o povo africano carinhosamente chamava a missionária da Consolata Ir. Irene Stefani. Dedicou-se ao ensino, à saúde, às visitas às aldeias e, acima de tudo, a amar sem medida. Fez suas as palavras do Allamano: Deveis amar a missão até dar a vida! (Fonte: Irmãs Missionárias da Consolata. Vida em plenitude. Região Brasil,1999)

A identidade das Missionárias da Consolata

Convencido de que à missão é preciso dar o melhor, desde a fundação Pe. José Allamano teve em mira a qualidade mais que o número. Queria evangelizadoras bem preparadas, “santas em grau superlativo”, zelosas, dispostas até mesmo a sacrificar a própria vida.

Com este perfil, nós, as Missionárias da Consolata, atuamos na evangelizaçãocom o zelo de levar o anúncio da Glória de Maria (Is. 66,19) aos povos do mundo inteiro, levando a Boa Nova e a consolação em situações específicas voltadas para a catequese; formação de líderes paroquiais e comunitários;  na educação e  promoção da pessoa especialmente da mulher, da criança e da juventude; no campo da saúde com a expansão de  centros comunitários urbanos; nas periferias, nas áreas  rurais; entre agricultores,  indígenas e  afro-descendentes dando especial preferência aos mais necessitados e marginalizadas da sociedade.

(Fonte: Colégio Consolata. Quem são as Missionárias da Consolata. Revista Consolata. São Paulo, ano 10, nº 19, jun. 2009)

Características das Missionárias da Consolata

 

 

Em nossa atuação missionária, vivenciamos a rica metodologia de nosso Fundador  Pe. José Allamano: “firme nos princípios e suave nos modos”, bem como, as seguintes características a nós deixadas:
Devoção à Nossa Senhora – O Instituto, nascido junto ao Santuário da Consolata, em Turim, viveu, desde a sua origem, um clima de intensa devoção a Maria;
Eucaristia – O coração da vida espiritual dos missionários e das missionárias.
A Igreja – “O Instituto e cada um de seus membros caracterizam-se pelo amor, pela fidelidade, pela adesão ao Papa e aos Bispos, e pela observância das diretrizes da Santa Sé”.
Liturgia – “O amor à Sagrada Liturgia, a maneira devota e digna de celebrar e dela participar, também é herança de Allamano.
União fraterna e espírito de família – “No Instituto, família reunida em nome do Senhor, todos se sentem e se aceitam como irmãos”.
Trabalho – Os missionários são pessoas do Evangelho e do trabalho: têm as credenciais nas mãos calejadas. A vida do missionário não é uma vida de êxtase, mas de laboriosidade.


(Fonte: Colégio Consolata. Quem são as Missionárias da Consolata. Revista Consolata. São Paulo, ano 10, nº 19, jun. 2009)

 

 

As Missionárias da Consolata no mundo

Cumprindo o objetivo de evangelizar os povos, nós as Missionárias da Consolata estamos presentes em vários países do mundo, principalmente naqueles com acentuada carência humana, educacional e apostólica. No quadro, pode-se conferir os locais de nossa atuação missionária e a data de início das atividades.

Ampliar tabela

EUROPA

ÁFRICA

AMÉRICA

ÁSIA

1910 Itália 1913 Quênia 1946 Brasil 2003 Mongólia
1946 Suiça 1919 Tanzânia 1950 Colombia
1950 Inglaterra 1924 Etiópia 1951 Argentina
1964 Portugal 1925 Somália 1954 Estados Unidos
1974 Espanha 1927 Moçambique 1982 Venezuela
1963 Libéria 1991 Bolivia
1992 Guiné Bissau
2004 Djibuti

Um pouco de história…

No sábado, dia  29 de janeiro de 1910,  as 16 horas e 30 minutos , na sede de Corso Duca da Genova, 49 – conhecida como “la Consolatina”, em Turim, na Itália, nasceu o Instituto Irmãs Missionárias da Consolata. O nascimento do Instituto foi marcado pelo escondimento, o silêncio e humildade. Nada foi publicado na imprensa da época. Não houve discurso inaugural, muito menos assinaturas de autoridades, ou grandes manifestações.
Não foram as urgências apostólicas que levaram o Fundador Bem aventurado Padre José Allamano a fundar o Instituto e a descobrir o Cristo Missionário.  Foi a sua experiência do Cristo enviado e chama suas missionárias a configurar-se com Cristo, filho missionário enviado  do Pai. Deu a Consolata como ícone perfeita deste ser filhas enviadas do Pai. No decorrer   dos anos, o Instituto desenvolveu-se e enriqueceu com a presença de Irmãs de varias nacionalidades que vivem como família unida pelo espírito e na finalidade, assumindo e harmonizando os valores próprios das diferentes culturas, enriquecendo assim o carisma.
Hoje, ao completar  cem anos de existência, as Irmãs Missionárias da Consolata anunciam em  quatro Continentes o Cristo , filho enviado do Pai:
Testemunhando o absoluto de Deus na vida pessoal e comunitária – Deus somente em tudo e sempre.
Sendo presença humilde e respeitosa, que condivide a vida e o caminho de fé com as pessoas e os povos, permanecendo presentes com o povo aflito ou em festa, confiando sempre no amor de Deus.
Proclamando com clareza que em Jesus a salvação é oferecida a todas as pessoas como dom de graça e misericórdia de Deus.
Anunciando o Evangelho nas situações concretas da vida, especialmente nos momento de risco, de insegurança, até o dom da própria vida.
Denunciando com a coragem do Espírito tudo aquilo que se opõe ao projeto do amor do Pai e interpelando profeticamente a pessoa e a sociedade para  transforma-la.
Solidarizando-se com a vida de cada pessoa e as situações do hoje, assumindo o processo de inserção, de dialogo, de inculturação e de promoção humana integral e contra todo tipo de violência, injustiça e morte.
Cem anos de consolação. Cem anos de evangelização. Cem anos de presença da Igreja em meio aos mais diversos povos, raças, línguas e credos.
Cem anos de dedicação total e de vidas oferecidas e doadas pelo bem da pessoa e da promoção do ambiente, vivendo os valores evangélicos.
Jovem, você que sonha com um mundo melhor, venha juntar-se a nós. Há um lugar esperando por você. Juntas  escreveremos a história dos próximos cem anos.
Irmãs Missionárias da Consolata

A chegada ao Brasil

O primeiro grupo de Missionárias da Consolata (Ir. Lília Raffaelli, Ir. Maria Anna Angiono, Ir. Santina Comi, Ir. Píer Clara Minoli, Ir. Theresia Brenna, Ir. Teresina Garberoglio, Ir. Giustiniana Perale, atualmente com 97 anos) chegou ao Brasil no dia 6 de julho de 1946, em Rio do Oeste – SC.
Do ardor missionário das nossas irmãs, logo surgiram as primeiras jovens vocacionadas brasileiras interessadas em tornar-se futuras Missionárias da Consolata.
Hoje, nós, Missionárias da Consolata brasileiras já somos aproximadamente duzentas religiosas, trabalhando ao redor do mundo missionário. No Brasil, trabalhamos em situações missionárias nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste, junto aos indígenas, pessoas sem-teto, moradores da periferia da Grande São Paulo e nas favelas. Em atividades apostólico-pastorais, na Educação, na Saúde, na Animação Missionária e Vocacional e na imprensa Missionária. Em idade avançada ou impossibilitadas de exercer ativamente a missão, continuamos acompanhando o trabalho missionário, oferecendo nossas limitações, doenças e orações. Para quem um dia fez a experiência na Missão, ela continua em qualquer lugar, em qualquer situação e em qualquer idade.


[ clique na imagem para ampliar ]
(Fonte: www.missionariasconsolata.org.br)

Uma luz que continua a brilhar

[ clique na imagem para ampliar ]

Ir. Irene Stefani nasceu na Itália em 22 de agosto de 1891. Aprendeu desde cedo a sofrer e a acolher da mão de Deus as alegrias e as tristezas. Aos 16 anos perdeu a mãe e o que já fazia fora de casa, cuidando dos idosos, dos pobres e das crianças, passou a fazê-lo em família, assumindo com a irmã mais velha o trabalho de casa e a educação das mais novas.
Aos 20 anos, foi recebida no Instituto das Missionárias da Consolata pelo Pe. José Allamano. Em 1914 partiu para a missão no Kenya (África), onde aprendeu a língua local trabalhando numa plantação de café. Tornou-se voluntária da Cruz Vermelha e assistiu milhares de doentes que chegavam quase sem vida aos hospitais improvisados, vítimas de epidemias e feridas de todos os tipos. Dedicou-se ao ensino, às visitas às aldeias e, acima de tudo, a amar sem medida. Fez suas as palavras do Allamano: deveis amar a missão até dar a vida! Por tudo isso, o povo africano passou a chamá-la de “Nyaatha”, mãe toda misericórdia, na Língua Kikuyu.
Faleceu aos 39 anos, qual grão de trigo lançado à terra para produzir frutos. Inúmeras pessoas têm recebido bênçãos atribuídas a intercessão dela o que levou os Bispos africanos a solicitarem o início do seu processo de santificação. Ir. Irene, rogai por nós!

(Fonte: Irmãs Missionárias da Consolata. Vida em plenitude. Região Brasil,1999)

Mártires da fé

Madre Tecla Imboldi, depois de intenso e produtivo trabalho de promoção humana e religioso, foi destinada ao Brasil em 1948 com a finalidade de ser a Superiora Regional das Missionárias da Consolata. Liderou a chegada das irmãs ao bairro Imirim (São Paulo), onde estabeleceu a sede das missionárias e onde também surgiu o Colégio Consolata. Era uma mulher de fé, de grande intuição e senso prático, que depositava plena confiança nas irmãs que com ela colaboravam.

Ir. Pier Clara Minoli aportou no Brasil em 1946 com o primeiro grupo de Missionárias da Consolata. Dotada de inteligência perspicaz, senso de responsabilidade e criatividade, atuou com competência nos primeiros anos do Colégio Consolata. Acompanhava com amor os alunos e pais, animando-os missionariamente. Os professores a estimavam e acatavam com apreço suas sábias orientações. Era pessoa justa e de intenso trabalho, um tanto austera, muito ativa e sensível às necessidades dos outros.

Ir. Vittoriana Odasso chegou ao Brasil em 1948 e integrou o grupo de irmãs que fundou o Colégio Consolata em 1949. Dedicou-se ao trabalho administrativo e às atividades profissionalizantes nos cursos de Corte e Costura e Datilografia.  Foi agraciada por Deus pela inteligência, vontade enérgica e dinâmica, sociabilidade e admirável bondade. Ir. Vittoriana colocou seus talentos a serviço com humildade, naturalidade e serena disponibilidade.

(Fonte: Irmãs Missionárias da Consolata. Vida em plenitude. Região Brasil, 1999)

Vida em plenitude: as primeiras missionárias da Consolata no Brasil

                    Era o mês de maio de 1946. Mês de Maria. Mês estabelecido por Deus  desde toda a eternidade para realizar aquela profecia do Padre Jose Allamano, o Fundador dos Missionários e Missionárias da Consolata que dizia: “A vossa finalidade são as Missões; depois, quando fordes mais numerosas, ireis não só na África, mas também na América. Abrireis também colégios na América, mas sempre com o mesmo fim: as Missões.” (Conferência às Irmãs, 03/12/1917)
As Irmãs Missionárias da Consolata que trabalhavam na Etiópia desde muitos anos, foram expulsas e voltaram para a Itália. Eram quase uma centena.   Por decisão do Conselho Geral da época, um grupo de sete destas Irmãs que haviam sido expulsas das Etiópia, foi convidado por vocação a deixar outra vez a sua pátria, a sua família e o querido Instituto para, como Abraão, ir para uma terra que o Senhor havia preparado para elas desde toda a eternidade.
                    São Elas:

 

    [ clique na imagem para ampliar ]

    • Maria Anna Angino
    • Santina Comi
    • Pier Clara Minoli
    • Theresia Brenna
    • Teresina Garberoglio
    • Lilia Raffaelli
    • Giustiniana Perali

A amizade e o amor de Deus aquece nosso coração.
Vinde e Vede!

O serviço de animação vocacional das Irmãs Missionárias da Consolata tem por finalidade dar continuidade à missão de Jesus Cristo “que passava às margens do mar da Galiléia, na banca de impostos convidando Pedro, Tiago, João, André, Mateus… a segui-lo e serem seus colaboradores na edificação do seu Reino.”
A animadora vocacional traz em si este apelo de Cristo à juventude de hoje: “Vinde e vede!” “Vem e segue-me!” As Irmãs designadas para esse serviço na Congregação, imbuídas da certeza de que Jesus continua hoje a lançar a semente da vocação no coração das novas gerações, confiantes, percorrem vilas, cidades, bairros, escolas, famílias… procurando despertar o chamado para desabrochar a semente da vocação.
Após um processo de acompanhamento e discernimento, a Congregação acolhe a jovem que passará por um período de formação integral, oferecendo condições para um desenvolvimento harmonioso da pessoa toda, observando os princípios da vida espiritual, isto é, unidade da oração e trabalho, amor a Deus e ao próximo, vida comunitária, apostólica e missionária.
Os critérios de escolha, no pensamento do Allamano, são determinantes pela qualidade da formação da Irmã Missionária da Consolata.
As casas específicas para as jovens em formação, noviças e junioras, se localiza na Rua Franklin do Amaral, 888. Bairro Vila Nova Cachoeirinha, São Paulo.
Email: novicon@uol.com.brbrjuniorato@ig.com.br.

Missão no Brasil: Promoção humana e evangelização  no semi-árido nordestino

    Em Jaguarari/BA desde 1987, foram as Missionárias da Consolata que iniciaram as atividades da Pastoral da Criança, a fim de promover e defender a Vida. Com isso diminuíram a mortalidade infantil prematura, diminuíram as doenças entre crianças e mulheres, promoveu-se a alimentação alternativa, prevenção de acidentes domésticos, acompanhamento das gestantes e criação de condições para a não violência familiar.

    As irmãs estão presentes em Monte Santo/BA desde 1990, com o foco da ação missionária nos bairros carentes e nas comunidades do interior. As crianças são acompanhadas através da Pastoral da Criança e do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, um projeto de iniciativa pública que tem por objetivo tirar as crianças do trabalho pesado e orientá-las para a escola, evitando evasões.

    As Irmãs se dedicaram também a Educação Popular e a alfabetização em parceria com o município. Este tipo de educação trouxe aos participantes aumento da auto-estima, autonomia, liberdade, perspectivas de esperança e de ações solidárias. Ainda ajudou o povo a regatar a dignidade e ensinou as pessoas alfabetizadas a descobrirem as próprias capacidades, superar dificuldades e vencer na vida.

    (Fonte: Ir. Myriam Depiné. Sinais de consolação, 2009)

Rede dos Colégios das Missionárias da Consolata

Caracterizadas fundamentalmente pelo anúncio do evangelho além das próprias fronteiras, sacerdotes, irmãos, irmãs e leigos Missionários da Consolata realizam esta missão de acordo com os princípios do fundador, Pe. José Allamano. Parte dos trabalhos realizados acontece no campo da educação, em escolas e colégios que unidos pelos mesmos ideais de promoção humana e cristã, desenvolvem suas atividades em diferentes lugares, mas sempre sob a proteção de Nossa Senhora Consolata, a padroeira dos missionários e das missionárias. Conheça outras escolas e colégios do instituto e se desejar, entre em contato!
Colégios das Missionárias da Consolata:
Argentina
Santa Teresita – email: hnasmza@consolata. org. ar
Instituto Paulo VI – email: pablovi@consolata. org. ar
Colegio Nuestra Senora de La Consolata – Email: colegio@consolata. org. ar

Brasil
Colégio Consolata – comunicacao@colegioconsolata.com.br
Escola Anjo da Guarda – escolaanjo@brturbo.com.br

Colômbia
Colegio Hermanas Misioneras de La Consolata – info@colegioconsolata.edu.co  – www. colegioconsolata.edu.co

Itália
Scuola San Michele – scuola@scuolasanmichele.org – www.scuolasanmichele.org

[ clique na imagem para ampliar ]